segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Seria tão bom ...


Sair por aquela porta e conhecer alguém sem precisar procurar no meio da multidão.
Alguém que soubesse se aproximar sem ser invasivo ou que não se esforçasse tanto para parecer interessante
Alguém de quem eu não quisesse fugir quando a intimidade derrubasse nossas máscaras, que segurasse minha mão e tocasse meu coração. Que não me prendesse, não me limitasse, não me mudasse.
Alguém que me roubasse um beijo no meio de uma briga e me tirasse a razão sem que isso me ameaçasse. Que me dissesse que eu canto mal, que eu falo demais e que risse das vezes em que eu fosse desastrada.
Alguém de quem eu não precisasse... mas com quem eu quisesse estar sem motivo certo.
Alguém com qualidades e defeitos suportáveis. Que não fosse tão bonito e ainda assim eu não conseguisse olhar em outra direção.
Alguém que me encontrasse até quando eu tentasse desesperadamente me esconder do mundo.
E quando me perguntassem por que eu amava ele, eu pudesse responder "Porque ele não precisa de mim".
~ Eu queria sair por aquela porta e conhecer alguém imperfeito, feito pra mim!

Um comentário:

  1. “Se você não mudar a direção, terminará exatamente onde começou”.


    E já há muito vens andando em círculos
    Revendo os próprios passos na estrada.
    Voltas inteiras que trouxeram ao nada,
    Às reticências, aos pontos e vírgulas.

    Sabes de-cór a cor da paisagem
    E quantas léguas são até o começo.
    Em qual vereda pode haver tropeço,
    Quando do pouso, e qual melhor paragem.

    Mas de que vale, enfim, tod’esse feito
    Se o teu defeito arma-te a cilada,
    Se tens marcada a ferro no teu peito

    Essa palavra crua tatuada
    E conjugada em pretérito imperfeito
    Que nunca foi além dessa jornada?


    Frederico Salvo

    ResponderExcluir