quinta-feira, 5 de janeiro de 2012


Ela age como uma mulher que tem todo futuro traçado mas seu coração guarda uma insegurança de menina. Ele é um eterno menino com alma de artista tentando se adequar a vida de adulto.

Ela acorda todos os dias tentando definir se agradece ou tem raiva do destino por esse carma que é o responsável por todos os sentimentos mais extremos que possui. É ele que a magoa, tira seu chão e faz ser descrente da sinceridade e pureza das pessoas. É ela que o faz se sentir o cara mais babaca do mundo e age de forma contrária a todas as outras com ele já havia se relacionado. Entretanto, sem a existência dele, ela não teria enxergado em um olhar o que palavras jamais conseguirão expressar, não saberia o quanto é difícil se manter longe de quem se ama e não teria aprendido a aproveitar cada instante ao invés de fazer planos. Sem ela, o menino não teria percebido que para cada escolha há uma renúncia, não teria vivenciado cada encontro como se fosse o último e que mesmo com todos os erros, teimosias e manias, querendo ele ou não, ela seria a única a completá-lo.


Se comparado aos filmes e poesias a única diferença desse romance é que o mocinho também faz papel de vilão e a mocinha se faz de bruxa quando acha pertinente. Por quê? Adorariam saber essa resposta, eles e todos que os rodeiam.


Ela não tem coragem de pedir a Deus o fim daquele sentimento que tanto sofrimento trás porque na verdade gostaria que um dia tudo desse certo e que aquele “menino grande” se tornasse seu homem. Ele continua relutando, enquanto lá no fundo sabe que por ironia do destino sua mulher é a que menos fica em seus braços.


E diante de tantos encontros e desencontros, promessas desfeitas e juras de amor, términos sem despedidas o que fica é a percepção de que tentar colocar ponto final é inútil porque por mais decididos que estejam há uma força que faz com que cada fim seja um novo começo.
Thamy N. Freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário