segunda-feira, 16 de agosto de 2010

ALGUÉM



Quero alguém pra mim.

Não todo meu, mas pelo menos uma parte, a parte que nos aproxima.

Também deve existir uma parte que nos afaste, para que sempre aprendamos um com o outro e respeitemos essa diferença.

Diferença! Quero alguém diferente, com personalidade e atitudes diferentes.


Alguém autêntico, com suas próprias idéias, teorias, com seus próprios interesses!

Alguém interessante, que tenha histórias pra contar e sempre esteja disposto a construir novas histórias.

Alguém que saiba o significado da palavra respeito, da palavra evolução.

Alguém que saiba que é errando que se aprende e julgar as pessoas pelos erros é cômodo, difícil é julgar pelo que ela mostra de melhor.


Não quero alguém que mostre seu melhor, quero alguém cujo o melhor eu tenha que buscar por mim mesma, numa longa e surpreendente descoberta.

Não quero alguém que me agrade e me bajule o tempo todo.


Quero alguém carinhoso e romântico.

Quero alguém que saiba que o "pra sempre" até existe, porém é necessário uma entrega constante de ambas as partes.

Quero alguém que me conquiste a cada dia, pois o dia que parar de me conquistar, correrá um sério perigo.


Alguém que me traga novidades, que me acrescente muitas coisas, que tenha uma inteligência instigante.

Alguém estiloso e vaidoso, sem ser fútil.

Alguém engraçado e divertido, sem ser imaturo.

Alguém franco e transparente, sem parecer arrogante.

Alguém que saiba se impor sem ser machista.

Alguém sério e ao mesmo tempo louco, que viva entre o real e a fantasia.

Alguém extrovertido, com muitos assuntos, que fale muito, mas que também entenda que ás vezes o silêncio é a melhor resposta.


Quero alguém com extrema sensibilidade para captar coisas, interpretar fatos e analizar pessoas.

Alguém de visão ampla, caráter simples, mas que também tenha dentro de si uma complexidade intrigante.


Alguém que tenha ousadia, que aprecie música, poesia, literatura.

Alguém que sinta, chore e saiba ouvir não.

Não quero alguém que busque a perfeição, mas complementação.


Alguém que me complete por também querer tudo ou quase tudo que eu quero.


Quanto mais se descreve alguém, mas fácil fica de encontrá-lo.

Mas no meu caso, quanto mais descrevo esse alguém, mas difícil parece achá-lo.


Não sei se esse alguém existe e muito menos se será meu.

Não todo meu, mas pelo menos uma parte.


Dani Amaral

Publicado no Recanto das Letras

01/07/2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário